Comunicação integrada e comprometida com o resultado!
(11) 3230-7434 | (13) 3304.7437
Facebook Twitter Flickr
sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Homeschooling: entenda a polêmica sobre o ensino domiciliar

Escrito por: Alexa Flambory

Antes de qualquer coisa, você sabe o que é homeschooling?  O termo americano é usado para a modalidade de ensino que, na prática, é a educação escolar em casa. A ideia, ainda pouco popular no Brasil e que levantou polêmica nas últimas semanas – sendo notícia dos grandes veículos de comunicação -, é praticada em mais de 60 países por famílias que têm a preferência pelo ensino no lar, seguindo rotinas e metodologias que a criança teria no ambiente escolar.

Atualmente, cerca de 15 mil crianças no País têm a casa como a sala de aula e não frequentam o sistema de ensino padrão.  As principais causas são o descontentamento dos pais com o sistema educacional, tanto público quanto o privado. Segundo a Associação Nacional de Educação Domiciliar (ANED), o homeschooling teve aumento de 916% entre 2011 e 2016 no Brasil.

Entenda a polêmica

No último dia 12 de setembro, por 9 votos a 1, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu não legalizar o ensino domiciliar. E a partir disso, a Constituição Brasileira prevê somente modelos de ensino em que a matrícula em instituição de ensino é obrigatória, seja em redes públicas ou particulares. Isso passa a valer quando a criança atinge 6 anos de idade até o dia 31 de março do ano da matrícula. Apesar da decisão, os ministros não consideraram a modalidade inconstitucional e a prática pode ser admitida no País desde que o Congresso regulamente o método, o que não dificulta a aprovação de futuras leis sobre esse assunto. Mas a partir da decisão do STF, os pais que educam os filhos em casa, terão que matriculá-los na escola.

Mas o que motivou o julgamento?

Tudo começou em 2011, quando o casal Moisés Dias e Neridiana Dias, optou por educar a filha de 11 anos por conta própria e a retirou da escola pública que frequentava na cidade de Canela, no Rio Grande do Sul. A justificativa era de que o método de ensino da escola não era adequado à garota, pelo fato de misturarem,  em uma mesma sala, alunos de diferentes idades e séries.

Além disso, pelo fato da família ser cristã, o casal também queria manter a filha longe de assuntos sobre educação sexual, que surgiam, inevitavelmente, a partir da convivência com estudantes mais velhos. Outro terceiro motivo seria a crença no criacionismo, que acredita que os seres humanos foram criados por Deus e à sua semelhança e não como a teoria da evolução de Darwin.

A escolha feita por essa família chamou a atenção da comunidade local e se espalhou Brasil afora, levando à discussão, nas redes sociais e veículos de comunicação, o debate sobre a efetividade deste tipo de ensino em detrimento ao ensino tradicional.

Sobre o Notre Dame
Formando gerações desde 1975, o Notre Dame é um dos colégios mais tradicionais da Baixada Santista. Reconhecido pela qualidade no ensino e formação de seus alunos, tem como premissas o respeito à individualidade e o desenvolvimento de habilidades sócio-emocionais, ambos fundamentados na filosofia humanista. Seu projeto pedagógico, fortemente estruturado, complementa o Sistema Anglo de Ensino – uma das mais modernas e respeitadas plataformas tecnológicas de educação do país – adotado com pioneirismo pelo colégio há mais de 30 anos. O Notre Dame é, ainda, uma das mais de 3 mil escolas, de 55 países do mundo, usuárias do programa “Líder em Mim”, desenvolvido pela Franklin Covey Co, nos Estados Unidos, com base no livro “Os 7 hábitos de pessoas altamente eficazes”.

Mais de 900 estudantes frequentam diariamente as três unidades do Notre Dame, em São Vicente-SP. São alunos da Educação Infantil ao Ensino Médio e mais 200 praticantes dos mais de 15 cursos extracurriculares oferecidos para matriculados e também ao público em geral: crianças, jovens e adultos. Uma ampla e variada infraestrutura, que inclui quadras e piscina coberta e aquecida, possibilita a prática de várias modalidades esportivas, além de cursos de artes como circo, canto e coral.

Atento à importância da educação tecnológica, o Notre Dame dispõe também de salas multimídia em todos as unidades; laboratórios de ciências; salas de TI equipadas com computadores, notebooks e lousa digital, projetos orientados para a educação tecnológica, cursos de robótica e desenvolvimento de games.

Mais informações, acesse: http://www.colegionotredame.g12.br

Assessoria de Imprensa – Colégio Notre Dame

Conteúdo Empresarial – Comunicação Integrada

11 – 3230-7434 / 13 – 3304.7437 – 3304-7438

Atendimento à Imprensa:

Alexa Flambory
alexa@conteudoempresarial.com.br
SKYPE: conteudo.empresarial3

Carol Cortez
carol@conteudoempresarial.com.br
SKYPE: conteudo.empresarial4

 


+VEJA MAIS RELEASES SOBRE ESTE CLIENTE